Entrevista para a revista Rainha

1)Que V. entende por qualidade de vida?

Qualidade de vida é quando todos os seres estão em harmonia uns com os outros. É quando todos têm o necessário para as suas necessidades vitais e quando há respeito para com o provimento das necessidades de todos os seres. È quando todos têm igual oportunidade de manifestarem, com plenitude e dignidade, seus potenciais sem impedir que os demais também o façam. E quando digo todos, me refiro tanto aos humanos quanto às demais formas vivas que existem.

2) Qual a importância do papel da floresta, da fauna e flora  na conservação do meio ambiente?

O que chamamos de meio ambiente é o conjunto de manifestações e interações de animais, plantas e microorganismos com os ciclos físico-químicos do universo. A diversidade de formas vivas interagindo é o segredo do equilíbrio da vida na Terra. Portanto todos os elementos da fauna e da flora são essenciais à continuidade da existência da vida. Cada um que se perde é um fio da teia da vida que se rompe fazendo com que ela fique mais fraca e mais pobre. Nas florestas e demais ecossistemas naturais é que as criaturas selvagens encontram seu lar e seu espaço vital. A conservação da vida depende da continuidade das relações que ocorrem no todo do planeta. O ser humano, como parte desta cadeia, deve se inserir nela consciente de sua condição de parte de um universo que o sustenta em todas as suas necessidades essenciais.

3)Ecologia é só para pessoas que vivem no campo?

Ecologia é a ciência que nos ensina e nos inspira a entender a sinfonia da natureza. Como tal ela é uma fonte de conhecimento e encantamento para todos os seres humanos, quer os urbanos como os do campo.

4) Como somos afetados por tecnologias que prejudicam a natureza?

O ser humano moderno criou uma série de tecnologias fantásticas que nos proporcionaram uma grande evolução na qualidade de nossas vidas. Todavia muitas delas tem sido usadas não no sentido de promover a vida mais de apoiar mecanismos de maximização de lucros e geração de poder.  Também muitas tecnologias não se enquadram nos ciclos naturais e causam um rompimento dos mecanismos que dão suporte à vida.

Quando ocorre qualquer uma destas situações a vida humana é afetada com o surgimento de condições para a geração de situações opressivas e castradoras da livre manifestação das pessoas, situações de privação econômica e não atendimento de necessidades vitais bem como pelo surgimento de doenças, destruição da natureza, poluição e perda do equilíbrio natural que propicia a vida.

Quando uma tecnologia afeta a natureza ela afeta a todos os seres causado sofrimento e perdas que não se justificam aos olhos de quem entende que a vida deve vir sempre em primeiro lugar. Todo o desenvolvimento tecnológico deve estar condicionado a este princípio ético.

5) Estamos sendo condicionados pela propaganda a sermos meros consumidores?

A grande maioria das propagandas visa motivar as pessoas para o consumo. Há muita propaganda informativa que visa trazer elementos para que os cidadãos façam opções por produtos que lhe sejam necessários.

Mas a maioria quer fazer o indivíduo acreditar que só consumindo é que ele vai ser feliz. Que consumir é atender aos seus desejos mais íntimos e legítimos como se os produtos ofertados fossem as únicas respostas para todas as necessidades de satisfação pessoal. Para tanto apela para todos os instintos básicos humanos e aos principais preconceitos culturais para nos fazer crer que só consumindo seremos seres ativos da nossa sociedade sem que questionemos, em nenhum momento, como estes produtos foram feitos e se realmente precisamos deles ou se a natureza tem condições de nos prover estes bem sem afetar o seu equilíbrio.

6) Qual a diferença entre consumidor e cidadão?

Consumidor é o cara que só pensa na sua satisfação pessoal sem considerar as necessidades das demais criaturas e sem se preocupar se o que ele consome é bom para a natureza e é produzido em condições de trabalho dignas. É o cara que somente segue comprando enquanto pode sem se perguntar se realmente necessita daquilo e sem se preocupar com os riscos que o que ele compra trás para a sua saúde e o seu meio social e natureza ou sequer a sua vida econômica pessoal.

O cidadão faz diferente. Ele também consome. Mas aos fazê-lo ele procurar se informar o máximo possível sobre o que está consumindo. Quer saber se o que consome é produzido em harmonia com as leis naturais e se oportuniza dignidade para os trabalhadores que disponibilizam o produto. Também quer saber se o que ele consome pode trazer para a sua vida em termos de conforto e saúde. É uma cara que se organiza para promover um consumo consciente que respeite os valores da condição humana e da vida na terra e que sempre está se perguntando se realmente precisa do que estão lhe oferecendo em termos de oportunidade de consumo.

7) Estamos ficando com medo das catástrofes mundiais. Qual o grau de culpa do ser humano?

Boa parte das catástrofes naturais que observamos se dá ou porque estão vivendo de um modo que o equilíbrio do planeta esta sendo modificado ou porque nos instalamos em locais sem observarmos os riscos potenciais de ali estarmos.

Para usar um exemplo podemos dizer que a ação humana está acelerando os ciclos de tempestades, ventos e enchentes, por meio da promoção de mudanças no clima do planeta e, ao mesmo tempo, estamos permitindo assentamentos humanos em locais aonde os efeitos destes fenômenos são ainda mais graves como encostas ou margens de rios.

8) Como ser um ecologista? Que ações individuais e coletivas, nós podemos desenvolver para diminuir a agressão à natureza?

Ser ecologista é conhecer o meio que te cerca. Saber de onde vem a água, o ar o alimento, a energia e os produtos e matérias que usamos na nossa vida diária. É saber para onde vão nossos resíduos, nossos dejetos. É participar na sociedade, de forma individual ou organizada em instituições para que haja respeito às leis naturais e que nenhuma criatura seja ignorada neste processo. É ter os olhos e a mente, constantemente voltada para a promoção de soluções que respeitem a vida e promovam o equilíbrio natural.

É usar com parcimônia, é optar pelo que economiza recursos naturais, é facilitar o tratamento dos resíduos, é reciclar, proteger animais e plantas e áreas naturais. É optar por meio coletivos de transporte e produtos produzidos o mais próximo de casa. É ser solidário com todas as culturas e credos. É trabalhar por um mundo de diversidade e justiça.

É pensar nas presentes e futuras gerações.

9) Qual é o  papel dos ecologistas hoje? Porque eles surgiram?

O papel dos ecologistas é mesmo de quando eles surgiram. É estar organizado em grupos de ação local com pensamento global. É defender as formas de vida de todos os meios que as agridam e impeçam sua livre manifestação.

Os ecologistas surgiram quando a humanidade começou a perceber que o modo como vinha se desenvolvendo passou a desrespeitar as regras nas quais a vida se baseou e evoluiu ao longo de milhões de anos. Foi quando pessoas e grupos começaram a denunciar as agressões à natureza e agir para a promoção de soluções que harmonizem a evolução da vida humana com o cosmos que sustenta.

Arno Kayser

Agrônomo, Ecologista e Escritor

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: